A dura vida do barreiro…

A Associação Cultural e Recreativa do Seixo, através do seu Rancho Folclórico e em conjunto com a Junta de Freguesia do Seixo e a Universidade de Aveiro e com o apoio da C.M. Mira, Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património, da Associação CENTROTERRA, da Associação Ruralidades & Memórias, da CFAE Beira Mar e da ACCMIRA realizou na manhã deste sábado a “Reconstituição do Barreiro”.

Jornal Mira Online esteve à conversa com um desses homens, que deram tudo de si a este trabalho “duro, muito duro”, o sr.Manuel Evangelista de Almeida.

“Trabalhávamos de sol a sol, parando somente para a merenda” , continua, “e era um trabalho árduo que desenvolvíamos entre Maio e Outubro”.

“E durante o resto ano? questiona-se, certamente, o leitor como questionou o repórter. A resposta veio pronta e sentida, percebendo-se isto somente pelo olhar do sr. Manuel: “Fazíamos pela vida, meu amigo”, responde, “A partir de Janeiro íamos trabalhar para o Alentejo, cuidar das batatas…e entre os meses de Novembro e Dezembro, lá estávamos nós a transportar areia em camiões alugados…”

Quem está na frente de uma verdadeira enciclopédia de vida como o sr. Manuel Evangelista, do alto dos seus 83 anos de idade e presta atenção às suas palavras que saem já um pouco cansadas, consegue perceber que a dureza de mais de 30 anos na vida de alguém que esteve neste ofício, só é superada pela felicidade de ali estar e “poder passar às novas gerações” aquilo que aprendeu na dura prática do dia-a-dia.

“Saudades? sim, claro! O trabalho era duro, mas feito com amor e muita dignidade… por isso, sempre recordo com carinho aqueles tempos…”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jornal Mira Online